UM SISTEMA DE OBJETO VOADOR NÃO IDENTIFICADO DE PROPULSÃO.
Leia e entenda como funciona.

Eu não sei se os volumosos relatórios de ÓVNI são observações precisas das características físicas de Óvnis reais, mas se são então estas observações, junto com a recente pesquisa dos físicos Donald Mallett (2000) e Lene Hau (2001), sugerem a possibilidade de um moderno sistema de propulsão ÓVNI. Comecemos com algumas coisas que sabemos:

1) o que nós experimentamos como a "força de gravidade" não é de fato uma força, mas é uma distorção do "tecido do espaço-tempo". Um objeto não submetido a um campo gravitacional mover-se-á em direção à gravidade crescente.

2) qualquer coisa que tem massa ou energia, inclusive a luz, distorce o tecido do espaço-tempo próximo.

3) a gravidade sempre será um operador atrativo localizado; porém é superada numa escala universal por um operador repulsivo, ou expansivo, que os físicos chamam “energia negra” ou “quintessência.” O operador expansivo responderá pela evidência de que a taxa de expansão do universo está crescendo.

4) um objeto não submetido a um campo gravitacional estará em "queda livre" e experimentará a ausência de peso, como um objeto não submetido localizado entre campos gravitacionais opostos de força desigual.

5) uma pessoa "caindo" num campo gravitacional, embora a força do campo e a taxa de aceleração, não experimentará as forças "g". Ele não terá a sensação de "ser empurrado" (a letra "g" é comumente usada para representar o "empuxo" de aceleração da gravidade da Terra - aproximadamente 9,75m/s/s ao nível do mar).

6) o tempo se torna mais lento perto de um vórtice no espaço-tempo, como um buraco negro, um fenômeno conhecido como “dilatação gravitacional do tempo.”

7) Vórtices no continuum do espaço-tempo são muito comuns. Stephen Hawking (1988) observou que “O número de buracos negros pode ser até mesmo bem maior que o número de estrelas visíveis … então o buraco negro mais próximo a nós provavelmente estaria a uma distância de cerca de milhões de quilômetros, ou tão longe quanto Plutão….” Além disso estes vórtices/buracos negros surgem em todos os tamanhos, de milhões de massas solares a menores que átomos.

8) sob as condições de um vórtice (distorção alta) no espaço-tempo, espaço e tempo podem trocar de papéis - o que do lado de fora se experimenta como transcurso de tempo será, para o lado interno, experimentado como uma dimensão no espaço.

9) um raio de luz a aproximadamente 1,5 vez o raio do “eventual horizonte” de um vórtice irá “costear” ao redor do vórtice como se estivesse viajando em um caminho reto, e o “bem” gravitacional causará o desaparecimento do vetor da força centrípeta normalmente externa. (O “eventual horizonte” é a distância do centro do vórtice onde o campo gravitacional é tão forte que a luz não pode escapar. Qualquer coisa dentro deste raio será invisível a um observador externo).

10) o investigador de Harvard - Lene Hau (2001) demonstrou recentemente que a luz que viaja a 300.000 km/s no vácuo pode ser reduzida a velocidade de alguns metros por segundo se estiver próxima ao zero absoluto em um meio especial (um condensado de Bose-Einstein).

11) "A luz ganha inércia conforme for sendo reduzida sua velocidade. Aumentando sua inércia aumenta-se sua energia, e isto aumenta o efeito (de um raio circulante de luz)" - Físico Ronald Mallett.

12) a força gravitacional próxima a estes vórtices varia as cores (para freqüências mais altas e comprimentos de onda mais curtos). Cores variadas nas regiões de freqüência ultravioleta ou mais altas ficam invisíveis ao olho humano.

13) “Um veículo interestelar equipado com a capacidade de formar um dom gravitacional a uma distância fixada desde o veículo poderia acelerar a si mesmo a velocidades supraluminosas. Obviamente, o veículo se tornaria inobservável, acima da luminosidade.” - Benjamin Goulart

 

Uma Máquina do Tempo.

Tentando construir uma “máquina do tempo”, o Professor Mallett (2000) oferece esta receita: 1) desacelere dois intensos raios laser até metros por segundo assim a luz ganha energia, 2) gire os raios em sentido horário por reflexão ou refração, criando um vórtice no espaço onde o tempo e o espaço trocarão de papéis. Se ele estiver correto, o tempo se moverá para trás dentro do vórtice. Ele e outros estão projetando uma experiência para testar esta hipótese.

 

Um Modelo de Propulsão ÓVNI.

Ok, vejamos se eu consigo reuni-las para modelar um motor de ÓVNI. Eu assumirei que nossos amigos alienígenas têm astronaves equipadas com algum dispositivo para alimentar raios laser muito intensos. Os raios se movem num meio de transparência eletromagneticamente induzida, e são desacelerados para m/s. Para serem acionados eles circulam os raios em direções opostas por reflexão ou refração, e quando eles atingem a velocidade, são criados vórtices opostos no tecido do espaço-tempo, que podem subjugar completamente e localizadamente a atração gravitacional da Terra. Os próprios vórtices, uma vez criados, dobram os raios de luz. Variando a velocidade dos fótons luminosos, e assim sua inércia e massa (energia), eles poderiam controlar o grau relativo de "gravidades positivas e negativas” manifestadas pelo vórtice oposto. Gerando-se um par de vórtices opostos em orientações arbitrárias sobre a embarcação poder-se-ia mudar para qualquer direção em alta velocidade, em relação a um observador externo, ou pairar. Obviamente, o poder relativo dos vórtices deve ser precisamente controlado para impedir o ÓVNI de ser destruído por forças “tidal” gravitacionais.

Mas há muitos problemas. Como você controlaria o efeito de reversão do tempo associado com gravidade artificial? Uma astronave poderia de fato gerar bastante energia para formar estes vórtices? (Joseph Rosen afirma que "a velocidade de dobra de Alcubierre requer algo na ordem de 10^19 tesla (campo magnético)" que requer uma quantia enorme de energia. Mas ele se adianta em sugerir que a enorme energia no vácuo do espaço-tempo poderia ser batida). Como você criaria e manteria suficiente Condensação de Bose-Einstein? É inacreditavelmente difícil de se criar, e é aparentemente a coisa mais frágil que alguma vez já existiu. Os físicos ainda estão fazendo apenas quantidades muito pequenas disto, só alguns milhões de átomos de cada vez, e eles só podem fazer a partir de alguns tipos diferentes de átomos. E sem parar. Assim o modelo do sistema de propulsão ÓVNI que eu proponho aqui, enquanto teoricamente possível, é obviamente bem impossível para os humanos construírem num futuro previsível. Nós teremos que assumir que os ETs de alguma maneira já solucionaram estes problemas.

 

O Modelo x Características Observadas de Óvnis.

Agora vejamos se nosso modelo poderia explicar os efeitos observados mencionados na literatura ÓVNI. Todas as citações seguintes, exceto quando anotado, é de Berliner (1995), Dolan (2000), ou Greer (2001):

 

EFEITO OBSERVADO: Movimento em Alta Velocidade, Pairando e Silencioso.

"...Eu a segui por um pequeno trecho, e então de repente a maldita coisa se foi. Ela arrancou a 45 graus elevando-se aceleradamente, girou e desapareceu". - astronauta Donald Slayton

“Os Óvnis por outro lado parecem capazes de pairar com pequeno ou nenhum movimento por longos períodos, sem qualquer som.”

“Minot AFB em 10 de novembro (1975) informou que o local foi perturbado por um objeto luminoso do tamanho de um carro a uma altitude de 300 a 600 m. O veículo não emitia ruído algum.”

“O movimento dos Óvnis não foi acompanhado por qualquer tipo de som..."

“Pairava e se movia de um jeito irregular para cima e para baixo…”

“… o ÓVNI saiu diretamente por cima, o radar NORAD localizou-o a 61.000 m, em velocidades de até 2700 km/h”

“Ele ouviu um ruído lamentoso e o objeto começou a girar em sentido anti-horário e finalmente elevou-se do solo.”

“Deslocamento irregular, seguindo o contorno do terreno, velocidade variada de deslocamento, pairando, vôo por cima de centros urbanos e industriais, lânguido sussurro … ao silêncio total”

“Começou a baixa freqüência, mas rapidamente o ronco subiu em freqüência e em intensidade … chamas surgiram debaixo do objeto … azul claro e ao fundo estava um tipo de cor laranja …o ronco parou e ele pareceu ver a nave pairar alguns pés acima do solo … estava tão quieto que se poderia ter ouvido a queda de um alfinete … então o veículo se moveu lentamente, ganhando velocidade…”

O MODELO: sua habilidade para controlar as "gravidades negativas e positivas" relativas responderiam pela alta aceleração, altas velocidades, e suspensão. E, uma vez criados os vórtices, o sistema de propulsão consistiria apenas em raios circulantes de luz, que responderiam pelo silêncio informado (ou um fraco zumbido indicando uma descarga propulsora de baixo nível gerada para manter os vórtices).

 

EFEITO OBSERVADO: Voltas Abruptas em Altas Velocidades.

"...Eu vi um movimento oval laranja-amarelado repentino e fez uma volta imediata para a direita..." - 20 de agosto de 1993, do banco de dados da NUFORC.

"...e era distinto por sua surpreendente manobrabilidade. Parecia que os Óvnis eram completamente destituídos de inércia. Em outras palavras, eles entraram, de alguma maneira, em ‘acordo’ com a gravidade.”

"Mas no simulador (ÓVNI) você notará que não há cintos de segurança. Certo? Era a mesma coisa com a nave atual - sem cintos de segurança. Você não precisa de cintos de segurança, porque quando você pilota uma destas coisas de cabeça para baixo - você simplesmente não percebe isto... você tem seu próprio campo gravitacional dentro da nave... para você, você está sempre do lado certo.

"...o caso do contato do Monte Paul, onde haviam dois Óvnis circulando ao redor um do outro separados por uma dada distância, lhe falou que havia 135 g de aceleração."

O MODELO: A aceleração máxima que um humano pode sobreviver por um período contínuo é de aproximadamente 9 gs, assim 135 gs seriam rapidamente fatais. E muitos outros relatórios mencionam as voltas abruptas a altas velocidades que parecem gerar forças g maior que os humanos podem suportar. Desta forma esta característica é a mais difícil de se considerar. Eis porque eu penso que este não seja um problema para os ETs: quando um piloto executa um mergulho para a Terra ele sofrerá forças g devido à mudança em sua direção no sistema de coordenadas definido pelo campo gravitacional terrestre; porém se um ÓVNI está em movimento uniforme ou pairando nossos amigos verdes estão leves e em "queda livre" em relação ao sistema de coordenadas definido pelo vórtice dominante. Se o vórtice dominante muda-se abruptamente para outra orientação, eles continuam ‘desabando’ segundo a mesma direção no mesmo sistema de coordenadas. Sua perspectiva da Terra mudará mas não experimentarão uma mudança de direção em seu próprio quadro de referências e, por conseguinte, não experimentarão força g alguma. Por exemplo, se estão se orientando inicialmente pela Terra e abruptamente começam a mover-se horizontalmente à superfície terrestre, irá parecer que a Terra moveu-se de repente de sua frente para seu lado.

 

EFEITO OBSERVADO: Luzes Pulsantes, Giratórias, Coloridas.

“Nave desconhecida com uma luz branca piscando e uma luz ambarina ou laranja. Objeto vermelho e laranja, com aproximadamente quatro carros de comprimento … no objeto parecia que todas as cores estavam misturadas.”

“Em 23 de abril (1954), dois aviões da PanAm, distantes aproximadamente 320 km, cada um avistou um ÓVNI entre Porto Rico e Nova Iorque. O objeto piscava com uma luz laranja-esverdeada, e passou triscando por ambos os aviões.”

“No dia 29, três membros da 2ª Estação de Rádio do Exército em Forte Meade, Maryland, viram um objeto não-identificado redondo e brilhante, que piscava, três ou quatro vezes o tamanho de uma grande estrela, movendo-se pelo céu em linha reta …”

“No dia 13, por exemplo, muitas pessoas em ambos os países (Noruega e Suécia) viram uma esfera prateada luminosa com uma cauda, e uma formação em “V” de três objetos luminosos, giratórios.”

“… nós vimos uma intensa luz amarelo-azulada movendo-se da praia para nossa posição … quando a luz atingiu uma certa elevação, ficou estacionária. Da luz original saiu um raio luminoso que começou a rodar … então um intenso e grande halo de luz amarelada e azulada desenvolveu-se, e lá permaneceu”

Há freqüentemente luzes multicoloridas nestes objetos, de dia e de noite... As luzes são freqüentemente ligadas e apagadas em seqüência, ligadas e apagadas, em algum padrão regular."

"...E eles simplesmente se apagam e desaparecem, então eles reaparecem em 25-30 km em uns 20 segundos, e então reaparecem. E eles fazem isso de um lado para outro."

O MODELO: O fato de que um Óvni é observado tendo luzes circulantes mesmo de dia indica que elas não são usadas para iluminação; e o fato de que elas ficam circulando, em seqüência e com cores variáveis indica claramente que elas fazem parte do sistema de propulsão. Os raios de luz circulantes sugerem a alguns observadores que o ÓVNI estava girando, mas não é. Os raios luminosos informados de várias cores, e a declaração de que “todas as cores se misturavam” sugere que a mudança da intensa luz pelo vermelho-laranja-amarelo-verde-azul seria o resultado da variação azulácea dos vórtices enquanto os campos gravitacionais se tornam mais fortes. Quando penetrassem na faixa ultravioleta, as luzes ficariam invisíveis - eles pareceriam estar piscando, como informado.

 

EFEITO OBSERVADO: Emissão de Radiação.

“… esta tecnologia que estava sendo usada para compressão era algo que nós nunca tivemos antes e ainda não temos. Não existe porque era uma faixa muito larga e poderia comprimir faixas diferentes, freqüências diferentes ao mesmo tempo…”

“A conclusão laboratorial que parece a melhor cobertura aos efeitos observados e analisados é a de uma emissão poderosa de campos eletromagnéticos, pulsante ou não, na gama de freqüência das microondas.”

"Todas as três bússolas (autopiloto) davam leituras diferentes... Assim o que nós concluímos é que era uma enorme força magnética naquela bola, o que quer que fosse, que nós vimos lá fora, aquela luz branca.”

O MODELO: São conhecidos poderosos vórtices no espaço-tempo, como os buracos negros, para emitir jatos poderosos de radiação eletromagnética paralelos ao eixo do vórtice. Este efeito poderia responder por estas observações de instrumentos irregulares ou a falha temporária de qualquer componente eletrônico.

 

EFEITO OBSERVADO: Efeito em Aeronave Convencional.

"Ao mesmo tempo os 747 tiveram um salto súbito, só um salto. Meio segundo depois o ruído (estático) e a luz tinham desaparecido. Este foi o único salto que nós tivemos em onze horas de vôo" (O piloto sênior informou que um ÓVNI passou a " talvez 150 m" abaixo deles a grande velocidade)

O MODELO: Sob potência, a distorção do espaço-tempo do Óvni aparentemente se estende, embora debilmente, para além de 150 m. O espaço tridimensional normal foi encolhido momentaneamente enquanto o ÓVNI passou abaixo do 747.

 

EFEITO OBSERVADO: Dilatação do Tempo.

“Tudo parecia que era diferente quando estivemos naquela clareira. O céu não parecia o mesmo … tinha um estranho sentir, como se tudo estivesse mais lento do que se estava fazendo de fato, e de repente quando o objeto se foi, tudo estava novamente normal.”

"Eu não falei sobre isto por um tempo, porque eu escrevi e achei que eu nunca deveria tê-lo feito ... O sentimento na floresta era muito estranho. O movimento era estranho. A percepção era estranha no minuto em que nós entramos na floresta. Eu lhe direi que - algo estava errado."

O MODELO: Dilatação gravitacional do tempo, o fenômeno bem conhecido de que o tempo se torna mais lento nas redondezas de um vórtice no espaço-tempo.

 

EFEITO OBSERVADO: Enfraquecimento da Visibilidade.

"...era como uma névoa; parecia uma névoa no chão... Então houve uma explosão - é muito difícil para mim descrever isto; esta coisa explodiu em múltiplos fragmentos de luz extremamente luminosa! Eu, e outros, sofremos ardeduras nos olhos... Esta explosão de luz foi muito silenciosa, e onde a explosão de luz aconteceu, surgiu um objeto sólido bem estruturado, bastante grande - provavelmente 9 m de base..."

O MODELO: Quando os raios de luz circulantes variam ao azul próximo ao ultravioleta (UV) a nave se apresenta nebulosa, vislumbrando luz azul. Conforme decresce a força e os vórtices se encolhem, uma luz refletida pode escapar neste momento e a nave fica claramente visível. Os raios de luz de repente “variam ao vermelho" de volta à brilhante luz branca original, o que poderia ser perigoso aos olhos se você está com a vista adaptada ao escuro (o incidente aconteceu à noite).

 

EFEITO OBSERVADO: Enfraquecendo a Invisibilidade.

1) no dia 13 de maio de 2001, uma nave lenta e pouco iluminada estava em cima de Bangalore, Índia. Do relatório:

"...Em aproximadamente 5 segundos após o termos avistado, o objeto começou a desaparecer, como se entrasse num meio invisível. O tamanho do objeto era o mesmo quando começou a sumir de quando nós o vimos primeiramente. Não diminuiu de tamanho..."

2) 1991, Livermore, Inglaterra.

“… O que aconteceu depois me surpreendeu, quando esta luz escura (objeto) eventualmente parou em meio ao vôo e então permaneceu estacionário. Então, alguns segundos depois, ela apagou-se totalmente. Desapareceu. Tornou-se invisível? Lembrava condições de avistamentos brilhantes e não nuvens. Eu fiquei pasmo por isto, meu pai menos, mas o que aconteceu depois foi realmente incrível, para ele também! Quase vinte segundos depois eu e meu pai testemunhamos um bumerangue escuro (preto), em forma de “v”, tipo nave com luzes embaçadas de cor laranja por todos os lados. Esta coisa passou em cima de nosso telhado, rápida e silenciosamente, em direção ocidental. A outra coisa surpreendente é que esta nave também desapareceu! Ela tornou-se invisível diante de nossos olhos e antes que chegasse aos telhados das casas opostas à nossa.”

3) "...E depois de observá-lo e ter este contato imediato, desapareceu. Ele desmaterializou-se."

4)" às 22:12 do dia 10 março, o radar de busca informou um objeto não identificado a oeste do canal (Panamá). Um T-33 do Campo Howard foi enviado para investigar. Resultados negativos. A aeronave estava nas áreas imediatas do objeto com visão negativa."

O MODELO: Estas observações sugerem que os vórtices podem ser ampliados para trazer a nave inteira dentro do raio do "eventual horizonte”. Enquanto os campos gravitacionais dos vórtices aumentam sua força a luz se curva para dentro. Quando os campos ficam fortes o bastante a luz não pode escapar, assim o objeto se torna invisível a observadores externos em todos os comprimentos de onda eletromagnética, incluindo rádio, radar, infravermelho, visível, UV, e raio-x. Deve haver muitos deles na atmosfera e estamos incapacitados de percebê-los, portanto duas questões óbvias, quiçá tranqüilas surgem: (1) Como nos defenderíamos se eles se tornarem hostis, e (2) Mesmo que todos os relatos de observação ufológica cessem, como saberemos que eles realmente se foram?